Óleo de coco virgem orgânico: O óleo da “árvore da vida”

O coco tem sido a base da dieta dos habitantes das ilhas do Oceano Pacífico por centenas de anos, onde é conhecido como a “árvore da vida”. Em algumas comunidades, representa de 50 a 60% das calorias diárias ingeridas.

Os primeiros exploradores ocidentais que visitaram essas ilhas nos séculos dezesseis e dezessete descreveram esses povos como vigorosos, belos e saudáveis. A relação entre esses hábitos alimentares e o bom estado de saúde dessas populações despertou o interesse do Dr. Weston A. Price, um dentista americano e pesquisador sobre nutrição, que estudou em 1930 as comunidades das ilhas que mantinham uma dieta tradicional, sem as influências do mundo ocidental. Para sua surpresa, constatou que tanto a saúde geral como a dentição desses habitantes era excelente, enquanto que aqueles das ilhas que consumiam uma dieta mais ocidentalizada apresentavam mais problemas de saúde e doenças degenerativas. A prevalência de cáries naqueles que adotavam uma dieta tradicional, onde o côco desempenhava papel fundamental, era de apenas 0,3% (3 cáries para cada 1000 dentes examinados). Já nos habitantes de ilhas que adotavam dietas ocidentais a prevalência era de 30%.

Já em 1960, um outro estudo avaliou os nativos de Pukapuka e Tokelau, ilhas pertencentes à Nova Zelândia. Nessa ilhas afastadas, a população era isolada das influências alimentares ocidentais. A dieta padrão utilizava o coco em diversas formas de preparo em todas as refeições, além de algumas raízes, frutas e vegetais. Os pesquisadores relataram que a saúde geral desses povos era boa, os níveis de colesterol normais e doenças cardíacas, colite, câncer de cólon, úlceras, hipotireoidismo, etc. eram raros.

No Sri Lanka o consumo de óleo de coco também é elevado e representa 80% das gorduras ingeridas. O Relatório Anual Demográfico das Nações Unidas de 1985 informa um óbito para cada 100.000 habitantes por doença coronariana no Sri Lanka, enquanto que nos países que não utilizavam óleo de coco a mortalidade era de 16 a 187 casos / 100.000 habitantes.

Estudos recentes apontam vários alimentos benéficos à saúde, como é o caso do chocolate, azeite extravirgem, chá verde, açaí e outros. O óleo de coco também encontra destaque nas pesquisas atuais com os seguintes achados, entre outros:
Auxilia na redução nos níveis de Lp(a) ( Lipoproteína a). Níveis elevados constituem risco de desenvolvimento de doença aterosclerótica. (The Journal of Nutrition, 2003; 133: 3422–3427)

Auxilia no aumento dos níveis de energia e redução de gordura abdominal. (Obesity Research, 2003;11:395– 402)

Pode ajudar na prevenção da obesidade. (The Journal of Nutrition, 2002; 132: 329–332)

Pode aumentar a capacidade antioxidante geral do organismo. (Food Chemistry, 2006; 99(2), 260-266)

Pode reduzir os níveis de colesterol e de triglicerídeos. (Clinical Biochemistry, 2004; 37 (9), 830-835)

Pode auxiliar na redução do envelhecimento cutâneo. (Sabinsa Coorporation , 2007)

 

 

POR QUE O ÓLEO DEVE SER VIRGEM?

Óleo de coco refinado: Vários óleos de côco são produzidos a partir da Copra. Copra é basicamente a carne do coco seca. O óleo produzido a partir da Copra é impróprio para o consumo humano e precisa ser refinado, clareado e desodorizado. Elevadas temperaturas e solventes químicos são empregados no processo. Esse óleo refinado é algumas vezes hidrogenado ou parcialmente hidrogenado, passando então a conter as perigosas gorduras trans.

Óleo de coco virgem: O óleo de coco virgem só pode ser produzido a partir da carne do coco fresco, que é chamado “não-copra”. Produtos químicos e elevadas temperaturas não são utilizados no processo, já que o óleo puro e natural é estável com validade de anos. O óleo virgem possui o aroma e sabor do coco. Estudos recentes verificaram que alguns dos benefícios do óleo virgem não são obtidos com o óleo refinado (de copra).

Existe óleo de coco extravirgem? Não. Essa classificação é arbitrária e não há uma classificação oficial dos maiores países produtores que permita esse termo, como ocorre com o óleo de oliva.

 

POR QUE ORGÂNICO?

O óleo de coco virgem orgânico é produzido sem a utilização de fertilizantes prejudiciais e de pesticidas. Organismos internacionais como o Green Peace, WWF e Environmental Working Group já alertaram sobre a poluição interna de nossos corpos, provocada pela exposição à várias substâncias químicas prejudiciais.

 

ÓLEO DE COCO VIRGEM ORGÂNICO (VCO) DA SPLASH INTERNATIONAL

As Filipinas são os maiores produtores mundiais de óleo de côco. A Splash International é uma empresa Filipina tradicional e que produz ÓLEO DE COCO VIRGEM ORGÂNICO certificado orgânico pelo Ministério da Agricultura do Estados Unidos (USDA) e pela ECOCERT, fundada na França em 1991 e considerada uma das mais respeitadas certificadoras de produtos orgânicos do mundo. Dessa forma, o consumidor brasileiro tem a garantia de estar consumindo um produto virgem, puro e que mantém suas propriedades nutritivas, produzido no país que mais entende de coco no mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *